Faça uma pesquisa

Validating credentials, please wait...

Home

PROFISSÃO DE RISCO: BOMBEIROS HERÓIS BRASILEIROS

PROFISSÃO DE RISCO: BOMBEIROS HERÓIS BRASILEIROS

Hoje é comemorado em todo o país o dia do Bombeiro Brasileiro, esta data é uma homenagem a todos os heróis brasileiros que arriscam as suas vidas para proteger as pessoas, as cidades e as florestas do risco de incêndios, desastres naturais, desabamentos e muito mais, são inúmeros chamados de todos os tipos.

Em Maracaju o 13º Subgrupamento do Corpo de Bombeiros   Militar do Mato Grosso do Sul conta com 23 bombeiros comandados pelo Major Bruno Leite que este ano completa 15 anos de profissão. Além de apagar incêndios, os bombeiros também desenvolvem vários projetos sociais educativos, com o objetivo de tentar melhorar a qualidade de vida da comunidade.

Segundo o Major Bruno o 13º Subgrupamento do CBM/MS estará implantando em Maracaju o Projeto Social Bombeiros do Amanhã, um projeto que trabalha com crianças de 10 a 14 anos ensinando e iniciando a carreira com uma nova filosofia de vida que os bombeiros levam.

Os bombeiros também ajudam a socorrer animais em perigo e auxiliar pessoas que enfrentam situações de grande stress, como tentativa de suicídio, afogamento, desaparecimentos e traumas provocados por acidentes. Em Maracaju os Bombeiros recebem em média 300 chamados mês, de todos os tipos e o atendimento sempre imediato.

 

Origem do Dia do Bombeiro Brasileiro

A escolha desta data é uma homenagem a criação do Corpo Provisório de Bombeiros da Corte, inaugurado em 2 de julho de 1856, no Rio de Janeiro, e sob o comando do major João Batista de Morais Antas.

Oficialmente, o Dia do Bombeiro Brasileiro foi instituído através do decreto-lei nº 35.309, de 2 de abril de 1954. A partir desta mesma lei, também foi definido a realização anual da Semana de Prevenção Contra Incêndios.

Antigamente, antes do Imperador D. Pedro II assinar o Decreto Imperial nº 1.775 que regulamentava o serviço de bombeiros, o badalar dos sinos era sinal de que homens, mulheres e crianças tinham que formar uma fila no poço mais próximo e assim, passarem baldes de mão em mão até chegarem ao local do incêndio.